sábado, 13 de dezembro de 2008

Feijão ( Se não gostarmos de nós ,tudo virará fuga ou engano)


Presa na fragilidade de seu corpo, bem que confessa- precisa de uma bela tarde ou , quem sabe , de um encorpado feijão.


Às vezes ,sente-se como um desnudo nada ,ela bem que atesta- basta-lhe um olhar no espelho ou a mais comovente paixão.


Quase sempre , seu olhar é meio esquecido , algo como se estivesse ferido , mas segue o rumo que sempre contesta...


Nem a mais suave enrolação , nem o mais encorpado feijão- ela só precisa de si mesma , sua cristalina essência-grão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário