quinta-feira, 9 de abril de 2009

Aquela gaveta...


A rosa vermelha , aquela que você me deu , virou ferrugem de flor , guardada no meu livro, que jaz tão antigo , guardião de sua letra.





Mas aquela gaveta , não deveria abri-la: você ainda lá , cravado e tão aflito , vivo- desbotado naquela carta amarela , e aquele amor tão bonito , encarnado como a vermelha rosa de outrora, e a gente se deixa na gaveta que se fecha , guardiã desse amor , ferrugem de flor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário