domingo, 25 de abril de 2010

Esquina


Sou a esquina dos ventos que se encontram, onde os sonhos se confundem, lugar de lágrima que se distrai em sorriso. Por isso, precisarei, se necessário for, de qualquer coisa que cheire a felicidade, qualquer coisa de cor, histórias de beira de esquina, um conto pronto de amor.

Sou, da escrita, a sua mais vagabunda sina, e se necessário for, virarei confusão, a lucidez em sonho, a lágrima num sorriso sem mais nenhuma dor- acho mesmo que sou feliz, sou a tal da esquina de aprendiz .

Nenhum comentário:

Postar um comentário