sábado, 4 de dezembro de 2010

Bem de mansinho


Entre encostas nuas e luas novas, o tal nome do amor cerca-me, cega-me de lua, de novo, sorrindo e quase mentindo, de tão boa que é a inércia frouxa entre flores e o vento, se não mais existe o tempo para quem ama bem de mansinho, amor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário