sábado, 27 de junho de 2009

O amor não precisa...




O amor não precisa de mais linhas no papel ,apenas de almas sem véu , penetrar nos portões sem trancas, sem amarras de rancores.

Assomando tão de repente , surpreende para quem se rende ,arriscando-se numa lança azul afiada , quase uma dor indecente.

É para poucos , meio tolos , quase loucos- o amor não precisa de mais linhas ,apenas de almas sem véu e portões sem trancas.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Pôr-do-sol


Cetim dourado rasgando a tela das noites , véu azul é o negro cabelo , e olhos brilham em sombras .




A paz de um abraço , toda força de seu beijo , carta de amor derramada na distância .





O cetim fez-se dourado ; o cabelo , azulado ; estrelas assomam , e você é toda sombra que brilha , o azul no cabelo , véu no meu céu , pôr-do-sol de cetim.

Deixar


Só me resta deixar você ir embora sob o mais pardo olhar , cada vez mais longe , e para onde você vai?


Vou me segurar nas lembranças , nas andanças de quem viveu , e o que virá depois , depois do amar?


Aceitar como hoje , só me resta o devagar para algum lugar , toda nova brisa da rosa virá , mas só deixo ir embora o meu amor , o melhor que se impõe no agora .


E se todo sentimento prova da brasa , o que virá depois do ardor? Só me resta o mais pardo olhar , só me resta amar , amar no deixar...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Abrigo




Atravessei rios e mares , vaguei por quase todos os lugares , cheiro a todas as terras do chão.


Mas te levei comigo , apertado no meu particular abrigo , e no fundo , não entendo como ainda eu só lembro ...


E morreram os dias do calendário ,amei as tardes diáfanas de sol, choveu e trovejou no verão, mas algo estacionou lentamente , freou soberano no pente do silêncio - tu , nos meus mais preciosos dias , rios e mares , todas as terras do chão , neste velho abrigo-asilo que se chama coração.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Destino


Meu amor , vivo vagando feito onda verde do mar- indo e voltando para um dia te encontrar.

Sob o sol do meio-dia , noite fria tão azul , prata no céu , e este tal fogaréu que se chama destino.

Sei que um dia a gente vai se encontrar num esbarro , num susto marcado pelo teu olhar , numa queixa sem sentir, num sonho sem dormir.

Vivo divagando devagar e sempre ; vou te encontrar , um dia, distraído tão sorridente - prata no céu , noite fria , e esse amor quase insistente vai te achar feito onda verde do mar num susto marcado pelo teu olhar.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Mulheres






DEPENDENDO DO DIA , SOMOS MULHERES DA CARNE , DA ALMA , ARREPIO E DEVANEIO , JANELA NA PRIMAVERA , VARANDA DE VERANEIO, CASA SIMPLES DE FAZENDA : TEMOS MULTIFACES , MOSAICOS E QUEBRA-CABEÇAS , MIL ALMAS ATÉ , MULHERES SIMPLES -COMPOSTAS