quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Uma chatice mesmo...

O abuso costuma cavalgar sobre uma lesma cansada mas, quando chega, não sobra nada, nenhum sentimento, seja lá o que for de relevante... Abusar é, involuntariamente, em qualquer área de sua vida, não agradecer, mas fazer o quê? Resta aguentar o abuso que é o abuso bem dentro de nós- uma chatice mesmo...

domingo, 27 de novembro de 2011

...Mas não fico sem o verso...

Poesia que rima com esgrima, lima , limão, carvão...Nada a ver, mas tudo rima com o meu lixo, e num esguicho, forço o verso da poesia que fica feia, mas ela é minha, e fique na sua, meio de lua, pronto...

Já fiz a merda certa de hoje- Rimou! Sacou ? Qualquer lixo serve, é verme e maestria do certo ou errado da poesia...E cale a boca- esgrima, lima, limão ,carvão, mas não fico sem verso, não...

Seu doido!

Eu mesma decidi- de hoje em diante, em cada milésimo de instante, sentirei até os meus átomos e neurônios, pensamentos e hormônios , lembrarei que sou gente de verdade, e nem a tal da realidade me impedirá de ouvir- nasci e sou o melhor assim de mim...E você, já se ouviu por hoje, seu doido?

A indiferença e o necessitado...


Pedra dura, diamante, desencanto do hoje mesmo , e neste instante eu te condeno ao veneno que tu me causas- indiferença, que diferença faz?

E o que me trazes nem o vazio ousou me dar...Então tá, como se não tivesses nascido, como se tivesses morrido, és a criatura largada na rua, e nua, ninguém te vê diferente- que diferença faz?

E tu morres de fome, de frio, sem brio, vazio, pedra dura, de esquina, e ninguém imagina- tu ainda vives , és gente , urgente de tudo , tu urges indiferente ...

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O melhor engano dos sentidos


Sinto que, sem música, até a paixão, o amor e a vida não seriam tão bem degustados. Deus nos deu o melhor engano dos sentidos- os bons gemidos.

domingo, 20 de novembro de 2011

Cinzas ( Para você que está meio, meio...)


Apenas pude renascer quando, finalmente, suas cinzas se deixaram levar pelo vento...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Bajulação e o autêntico


A falsidade usa a bajulação como arma ; já a autenticidade, o elogio como um grande incentivador da humanidade.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Grito da natureza


E o céu azul tocava na flor vermelha...E o único espectador era aquele muro branco, calado, e a natureza gritava em silêncio...