terça-feira, 28 de setembro de 2010

Folhas secas


Viro saudade, e as folhas secas tilintando ao vento, sem intento, deixando-se levar, coisa de chão no ardor da falta.

domingo, 26 de setembro de 2010

O vento do destino


O bom da vida é também o destino, uma espécie de vento forte e quente que nos carrega para caminhos floridos, nunca antes trilhados.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Cadinho de confetes


A alegria é um cadinho de confetes coloridos - simples e bonita, até caindo marota no chão.

domingo, 19 de setembro de 2010

Música e alegria


Música é a alegria cantada, o gozo dos bons gemidos, palavras que assomam enfeitiçadas.

domingo, 12 de setembro de 2010

E a borboleta era verde...


Numa casa abandonada, quase sem paredes e janelas, uma borboleta imóvel, olhando-me atenta, sem sentido no seu mistério de inseto.


E eu a entendia...Que motivo, tudo isto? E a borboleta era verde numa parede branca, e eu, branca numa alma incolor. Sentido? Nenhum, se viver, decerto, é bem mais surreal que o morrer...E a borboleta era verde, lembra?


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Adoro...



Adoro este cheiro forte de terra que vai molhando e este vento desesperado que se forma;


Adoro a ameaça de uma chuva , ela tão ensimesmada, cheia de gritos, água derramada sob protestos e risos;


Adoro o sol amando a água, gerando o arco-íris, a dúvida das horas;


Adoro o tempo perdido em si, de joelhos com Deus, brincando com os homens e confundindo a Terra.

Nua de vento ( Uma linda música mas, quem a canta, deixou saudades...)


É meio inexplicável- Eu me sinto totalmente nua, com o vento, como se ele lançasse a roupa da minha alma para bem longe...

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Ócio ( Não podemos viver sem ele... Senão, perdemos a produtividade e a criatividade)


Eu e o ócio nos abraçamos lentamente, numa preguiça dormente que formiga, se somos espectros inerciais, somos vitais, e deixem -nos em paz, nestas horas profanas de um parado contente- minha mente agradece à preguiça que me lambe.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Vida que roda


O sol chega bem de encontro com a flor de laranjeira , e os pássaros seguem numa revoada alegre, numa pluma de nuvens.


É bem certo- é a vida que segue, que roda, que mede, é leve e nem tão pesada, esta vida cheia de vida, alta revoada, mais um dia bonito que o sol se põe em meio à nossa estrada- encontros, e a flor de laranjeira dorme, mais uma vez, sob a lua branca e gorda.

domingo, 5 de setembro de 2010

Livro


Se existe reencarnação, esta se faz em pleno papel : chama-se livro.

sábado, 4 de setembro de 2010

O amor e o vento


O vento fenda as nuvens em pó, as pedras de um tempo, afaga seu cabelo liso num trejeito perdido de saudade.


O vento molha o meu olhar, esculpe sua alma de verde, sussurra seu nome em plena tarde, e eis que me invade a brisa boa de um tempo bom- amor que me desfia, desafia a alma numa corrente de tempo, correndo pro mar, e devagar, deitando -se resignado, dormindo sozinho, tão silêncio calado.