sábado, 27 de fevereiro de 2010

Pedra encantada



Lua, pedra encantada ; luz, em mim, deitada como uma linda e sonolenta fada bocejando no azul, vestida de cetim branco , dormindo com a luz acesa, banhando-me na prata , seu impreciso marfim.


E lá no céu, a fada sonolenta e encantada bocejando no azul, sono sem fim, sonho de lua deitada na minha rua, pedra de cetim.

http://www.youtube.com/watch?v=NdkzQ5_Sv_8&feature=related

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Bala perdida


Não me fale da vida falha, rala na rua, morrendo crua no sangue, bestamente , inconteste, bem na nossa frente.


Não me fale dos tais dirigentes, daninhas sementes , eleições e dinheiro, e quem vencer primeiro, perde mesmo é o brasileiro que morre na rua , achado por uma bala perdida numa vida tão rala , na imoralidade nua e indevida, e não me fale desta vida ferida, nem dessa gente que sequer lhe dá valor bestamente, bem na nossa frente, bem rente...

http://www.youtube.com/watch?v=3_kEt_Ac6m4&feature=PlayList&p=96764524D259AB9F&index=16



quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

As flores do caminho



As flores caem pelo caminho- é o meu carinho na sua estrada que se faz acompanhada para jamais se sentir sozinho, e se um aroma de rosas sufocá-lo, é o meu beijo jogado bem de cantinho, um tanto opressivo, querendo tocar...


Flores na mão acompanhada, e mais nada , e só quero que prossiga sorridente, sem chorar, e me sinta num aroma derramado no seu chão, nas flores que caem pelo caminho, num cantinho de carinho, na sua mesma direção...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Ser encantado ( música do Metrô ,anos 80 puro)





Quem se ilude, pelo menos um pouco, e tem plumas brancas de pensamentos, é mais um ser encantado , praticamente personagem vivo de livro, ser tão leve que caminha, quase muito , sobre as mais altas nuvens da existência.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Tolice



Ser tolo é deixar de enxergar o óbvio- somos tão insignificantes, se temos o nosso palco apenas num determinado momento, num pontual segundo, que é o nosso século presente...E ainda tem gente que se acha qualquer coisa de diferente, e com uma grande margem de certeza, padecerá de feridos egos, sedenta por água em pleno ermo, esquecida de sua própria humanidade.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Borboleta da colina



A borboleta da colina é sempre tão mais bonita na cor deitada e atrevida, estreando no lépido sol aberto.


E, para quem tem sorte, eufórica num amarelo - azul , e lá se vai ela, tateando céus, o mundo cru , mas bem lá de cima, a borboleta, luz acesa, quando a noite cai na flor que distrai, e é muito mais bonita onde sopra o vento, risca o firmamento, bem no meio da colina...

Imperfeição



Quero ser melhor, ou talvez, menos pior...


Quem sabe, rasgue um pouco do véu dessa natureza humana singela, frágil meio inábil, que mal cabe em pensamentos e cospe no prato.


Tudo é pouco, coisa roxa de louco, mas também tantas coisas, e a gente nunca será perfeito, sempre entremeado de defeitos, faz mal algo direito, mas tinha que ser assim, um tanto mamulengo de gente, e isto sempre foi perfeito desde o início do início do erro.

http://www.youtube.com/watch?v=tO4dxvguQDk



domingo, 21 de fevereiro de 2010

A luz e o vento


A luz do canto flutua, recheada de vento, e as sombras piscam num escuro meio claro, a cortina danca na consonância da brisa.




E a sombra pisca, e eu, é claro, num escuro bom de mim assim, à risca, sob o vento, cheia de luz na sombra clara do meu cabelo escuro, e sei que, por aí , flutuo cheia de vento, vago meio inerte, como quem reflete uma vida que pisca feito sombra na brisa, inercial à deriva ou na calma da ida, mas na luz do meu canto.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A hora da alma



A noite guarda um espelho de verdades -podemos desfazer ou refazer tudo de algo, desabar no que pensamos sem o menor desvelo, sem preâmbulos, totalmente sem roupa; é a hora da alma que fica mais solta.

Estrelas




Estrelas, luzes, azuis centelhas, brancas, amarelas e vermelhas piscando no céu , esparramadas na noite - mãe.



Endeusam sua irmã lua, tão formosa companhia, escorregando na sua aura fria, reluzindo através da janela, onde a menina se espreita e vela nas cores brilhantes de um anel de céu , estrelas em véu, centelhas...



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Menina- rosa encantada ( POESIA INFANTIL)



A menina ruiva , de sandália rosa, só quer brincar, rodopiar num dançar, ser faceira boneca, quebra-cabeça e flor- tudo mesmo ela quer...
Mundo que cabe nas mãos, cor de mundo sem confusão, num sorriso de desenho, mundo rosa de sandália, pensar em mais nada, menina ruiva de livro, menina- rosa encantada.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Livre ( O desenho, foi Luana quem fez...Nossos filhos são bons de pc mesmo...)



Ela quer ser livre como o vento, correndo para bem longe , sem pressa de chegar , espalhando-se pelo ar, fragrância de flor, caminho azul de mar...


Ela vive solta; num véu, disseminada, ruflando nuvens, e não precisa de mais nada- apenas quer ser vento, beijando o mar, amiga do tempo, felicidade de ser e de estar.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Para amar...


PARA AMAR, QUASE TÃO POUCA COISA, CORAÇÃO DEITADO NA MÃO, RELATIVIZAR A RAZÃO, DEIXAR O CÉU LILÁS CAIR; LUA , NA RUA, SAIR.

ÂNSIA POR ESPAÇOSAS JANELAS, ROSAS MEIO AMARELAS, VULTOS ESCUROS, VELAS E TOQUES, MADRUGADA E VELHAS CONVERSAS.

AMAR SÓ PRECISA DE UM LOUCO , ALGO QUASE TÃO POUCO, MAS O SUFICIENTE PARA QUALQUER UM EM UM DIA QUALQUER, SE TODO MUNDO SÓ QUER DEIXAR O CÉU LILÁS CAIR , SAIR NA RUA, CHEIO DE LUA, E DE TÃO LEVE, SORRIR...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Luxo ( A música é aquele rock ,"chique no último", do U2, mas tem a essência de carnaval tb)



Tiras de mim são de alegria , vital fantasia, cor e carnaval, pés no chão livres, descalços na rua...


Tiras de mim, serpentinas e confetes, plumas e paetês, vestido carmim, partes de mim...
E vamos embora, enganando-nos um pouquinho numa alegria triste, e mesmo assim, a gente ainda existe, e se isto é algo de luxo, chamo-o de felicidade.

http://www.youtube.com/watch?v=e8w7f0ShtIM

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Infinito


Conte as estrelas, os poros e a poeira ;


Termine até o infinito, se for preciso...


Mas beba na beira do deserto, tão perto;


Sinta frio ou calor de poro aberto;


Refaça cada pedaço com amor, amor na origem de si , mas antes de tudo, termine até o infinito, e se for preciso, conte a poeira, os poros e as estrelas como se fosse a primeira vez...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

A vaquinha Lindalva ( HISTÓRIA INFANTIL)



A vaquinha Lindalva era a mais esperta de sua fazenda, era bem charmosinha , cheia de bolinhas marrons pelo corpo e fazia o mugido mais forte da vizinhança- “Muuuuuuuuuuu"!

Gostava de comer umas roupas do varal , apesar de sua mãe pedir que não fizesse mais isso ,mas ela não resistia a um pano vermelho ou cor-de- rosa .Era coisa certa ,até a língua ficar colorida de tanto chupar e engolir as roupas .

Mas, um belo dia, já com um calção cor-de rosa saborosíssimo girando em sua boca, Lindalva começou a passar mal de tanto tossir... O calçao não ia pra frente nem pra trás ! Ela estava engasgada , e com os olhos arregalados, deu o mu mais forte de todos os tempos! Sua mãe prontamente deu-lhe uma trombada pelas costas ,que a roupa voltou pro varal bem ajeitadinha .


Lindalva aprendeu que um bom conselho a gente não pode desprezar ,e por pouco, ela poderia estar muito mal lá na clínica do Seu Toinho ,que tinha uma injeção mais grossa que o tronco de uma árvore. Aprendeu que era esperta e inteligente,mas tinha que , pelo menos um dia, ouvir as vaquinhas que a amavam, especialmente sua mãe.


E nunca mais Dona Vera deu falta das roupas no varal, e nunca mais os cachorros Luca e Lico apanharam por isso...Assim, a fazenda conseguia ser feliz por mais um dia , sempre charmosa com a vaquinha Lindalva, o mu mais forte da vizinhança !


terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Mosaico


Sou um pouco de mim, e muito mais de cada pessoa que mora na minha alma... Sou um mosaico colorido de gente.

Azul-marinho



Azul - marinho é todo o céu, despedida de um dia bom, brisa morna sussurrante, horizonte, tela grande, e eu velo por mais um dia num beijo cru, marinho-blue crepitante.
Azul é todo o céu , amor que fica, não me queixo do tom da cor, tudo bem de mansinho, e o azul no olho deita-se em véu, luz e céu, todo amor pintado em mim, azul-marinho.