terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Mulher de areia


Na brisa do fim de tarde , sou a tão encarnada mulher de verdade , beira-mar ,beirando à vontade , feliz bem mais pela metade.


Vendo o mar , mulher da tarde , sentindo a areia na brisa que me adorna e despenteia.

Sou a tão encarnada mulher de verdade, meio mulher de areia , ou quem sabe, uma azul sereia ,mas sou feliz bem mais pela metade.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O véu e a cigana


A cigana olhou as fissuras da minha mão e sorriu , sem nada a dizer ,mas logo ,logo chorou e me fitou surpreendida:


“Como você amou este homem! Mas eu só vejo um véu ...”


Dei-lhe uma moeda , não acredito em quem na sorte acerta , mas ela a rejeitou-" Digo só o que sinto ,eu sou uma mulher e não minto , sou cigana certeira ,não preciso de uma moeda derradeira."


Começou a chorar e a tremer ,a cantar e a antever-“Como amou este homem ! E ele sabe disso mais do que ninguém..."


Abandonou a minha mão , cantou nossa música ,sorriu calmamente , sumindo tão de repente. Sobre a calçada ,apenas um véu azul ,um papel com oração , e você na minha frente : “Como o amei!”

sábado, 27 de dezembro de 2008

A menina que lia ( À minha filha,ao livro "A menina que roubava livros")


Cada dia,uma fantasia do que seria...Uma letra com outra,casando-se tão rápido,formam o quê?




Isto era inventado,meio que sonhado,uma" história de cabeça",antes mesmo que aconteça...




Livros e pequenas mãos , gravuras e cheiro de páginas-cada dia,a menina lia,viajava sorrateira,cada dia mais ligeira.




Uma letra com outra,casando-se tão rápido,formam o quê? Meio que sonhados,livros,gravuras e um cheiro de bom dia.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

A ESTRADA AZUL


AQUELA CURVA AZUL, ASSOMANDO BEM LONGE , DÁ VERTIGENS, SE NINGUÉM ENXERGA O QUE VEM ADIANTE; MAS SE POR UM INSTANTE ACELERAR, POSSO PERDER O RUMO,O PRUMO, O SUMO TÃO RESTANTE.


PREFIRO PISAR NO FREIO, DEIXO AS RETAS VOAREM ATRAVÉS DE MIM-APENAS O MEDO DE NÃO VISLUMBRAR O QUE VEM NA CURVA E PERDER A DIREÇÃO.


ENTÃO, DESACELERO PARA NÃO PERDER O RUMO, O PRUMO, O SUMO DO INSTANTE, MAS PROSSIGO NA AZUL ESTRADA DE CURVAS E RETAS, METAS- SIMPLESMENTE , CORRO OU NÃO, E SE FOR PRECISO, OUSO SEGUIR ATÉ NA CONTRAMÃO.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

E deixa a vida me levar...( Minha homenagem ao livro "Doidas e Santas" de Martha Medeiros)


Por favor,minha gente ,ninguém é de “ferro” ou sempre "Madre Teresa de Calcutá”...Existem dias,ainda bem , em que não estamos para nada nem para ninguém.


Quem é que agüenta o tempo todo só pagar contas ,planejar viagens ,pensar em como vai dar conta do trabalho , ensinar os filhos , resolver milhares de outras questões do dia-a- dia e xingar os políticos? Isto é besteira ,imagine quem tem problemas bem mais palpáveis e frenéticos!


Então , um diazinho para quebrarmos os celulares ,despertadores,computadores,televisores e nossas cabeças pensantes é sagrado para a perpetuação da espécie. Precisamos zerar tudo,respirar fundo,acumular boas energias...


Sabemos que não temos resposta nem solução para algumas coisas ,mas temos a certeza de que podemos melhorar sempre...Não agradamos a todos ,ainda bem, pois seria patética e infrutífera esta vida. Aprendemos a gostar mais de nós ,juntamente com o duro aprendizado de dizer não ,principalmente se nossa consciência falar mais alto( Ainda bem que ela funciona de vez em quando...)


Simplesmente, hoje quero afrouxar o meu cinto de segurança, “ e deixa a vida me levar, vida leva eu”- como num pagode tão conhecido...Detesto pagode,mas tudo bem...Esqueça isto,ora! Pare com essas palavras amontoadas na cabeça , pelo menos hoje...


Zere tudo ,ria ,tanto faz ,hoje é seu dia ,relaxe ,Natal está vindo ,o Ano Novo também ,não faça promessas bobas , apenas viva o hoje e respire fundo –zere seu dia num retardo mental moderado, Bom Dia e Feliz Ano Novo! Ufa! Que alívio!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A menina que corre


A menina corre mais rápida que o vento ,mechas negras meneiam contra o tempo ,antes que cresça num piscar de olhos ,antes que caminhe meio contrariada ,desiludida nos pastos- ermos.


Voa pelo campo de folhas ,seu sorriso gargalha meio displicente ,o seu vestido aterrissa num azul inocente.


Mas as borboletas planam ,adornam céus e cabelos , e a menina é ainda menina-ainda não sofreu , ainda não sangrou, desconhece a lágrima que queima ,nunca perdeu um grande amor.


Antes que cresça num piscar de olhos, apenas uma menina que corre contra o vento, contra o tempo ,contra a sua mulher desiludida nos pastos-ermos.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Perfume de flor


As nossas vidas têm jarros recheados com as mais lindas flores :cores do arco-íris ,perfumes e sonhos ,espinhos embutidos.


Nossos cantinhos-canteiro:cada dia, uma flor nasce por inteiro, flor que resiste no vigor de seu cheiro, encara o espinho como um brincalhão- sorrateiro.


Girassóis,lírios e rosas- os melhores espinhos estão no caminho, mas as flores arregalam e nascem por inteiro ,vidas de cantinhos-canteiro , se viver é apenas um sonho de perfume de flor.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Flor amarela


Eu já lhe disse tudo-joguei a minha flor amarela sob a brisa mais fria , feito perfume de palavras soltas no seu espaço de menino –o que não passa , cresce, e já se forma amor.

Então, plante a amarela flor ou a despreze sempre no chão-cuidado com os espinhos , se o coração é mesmo um jardim; mas anseio que revolva a areia , na decisão de quem ama e semeia.

Eu já lhe disse até disparates , talvez um pouco de tudo-o que não passa é mesmo o amor , joguei a minha dor sob a forma de flor na brisa mais fria , densa noite que nos guia , destino ou desatino de uma flor amarela .

Feijão ( Se não gostarmos de nós ,tudo virará fuga ou engano)


Presa na fragilidade de seu corpo, bem que confessa- precisa de uma bela tarde ou , quem sabe , de um encorpado feijão.


Às vezes ,sente-se como um desnudo nada ,ela bem que atesta- basta-lhe um olhar no espelho ou a mais comovente paixão.


Quase sempre , seu olhar é meio esquecido , algo como se estivesse ferido , mas segue o rumo que sempre contesta...


Nem a mais suave enrolação , nem o mais encorpado feijão- ela só precisa de si mesma , sua cristalina essência-grão.

O céu continua


Eu não preciso de juras , provas ou documentos autenticados , lágrimas e poemas mais "rasgados".


Eu não preciso dizer ,basta sentir e me ter- assim como toda tempestade passa , o céu continua ,continuo sempre sua.


Não preciso de juras nem dos poemas mais "rasgados" , provas ou documentos autenticados-amor não se comprova ,vive-se por ele;basta senti-lo e tê-lo na continuidade de um céu; continuo sempre sua.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sonhei ...


Eu me vejo dormindo , brancos lençóis envolventes, cabelos dispersos nos ombros- apenas sinto como o amei.


Vislumbro, ao longe, aquele sonho à noite que me despertou – seus braços nos meus, meus beijos eram seus, eu não sei...

Mas eu simplesmente acordei- senti o gosto da desmedida do desejo , de esguelha me espreito, num querer feito defeito.

Sonhei na minha cama, cabelos dispersos nos ombros, o pouco virou sobras – fôlego do desejo , restos do sonho emaranhado, assim como seus braços nos meus, meus brancos lençóis,apenas sinto como o amei...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Medo de Avião


NENHUM GLAMOUR QUANDO ADENTRO NUM AVIÃO-PARECE MAIS UM GRANDE CAIXÃO LACRADO, CONDUZINDO-ME PARA ALGUM LUGAR DE UMA FORMA HORRIPILANTE.


ESTAVA EU,COITADA ,NUM TRECHO SÃO PAULO –BRASÍLIA, APARENTEMENTE MUITO TRANQÜILO ,QUANDO OS INFELIZES AVISOS LUMINOSOS DOS CINTOS DE SEGURANÇA SE ACENDERAM. DO INFERNO, UMA VOZ MACABRA DO HOMEM MAIS CORAJOSO QUE CONHEÇO:


- ESTAMOS PASSANDO POR UMA ZONA DE INSTABILIDADE METEREOLÓGICA. POR FAVOR,CONTINUEM COM OS CINTOS AFIVELADOS...


AQUILO TUDO NA MINHA CABEÇA ERA DECODIFICADO COMO: -NÃO SE PREOCUPEM...A MORTE É RÁPIDA.


ISSO JÁ HAVIA ACONTECIDO LOGICAMENTE ALGUMAS VEZES , MAS OS SOLAVANCOS DO AVIÃO NÃO ERAM NADA PRÓXIMOS DE UM AFAGO...E TOME MINUTOS QUE SE ARRASTAVAM COMO CORRENTES PESADAS...O AVIÃO ESTAVA EM PLENA CRISE CONVULSIVA GENERALIZADA.


NUMA ESTRATÉGIA DE DESESPERO ,COMECEI A CONVERSAR COM UMA PASSAGEIRA QUE ESTAVA AO MEU LADO ,SÓ QUE A COISA ERA MAIS OU MENOS ASSIM-

- VOCÊ VAI FICAR ONDE?

-BRASÍLIA

- E VOCÊ ?

-TAMBÉM ...É,É,É...

-TÁ TUDO BEM COM VOCÊ?

-NÃO,SEGURE MINHA MÃO,PELO AMOR DE DEUS!


O PALCO ESTAVA MONTADO- O AVIÃO NÃO DAVA TRÉGUA ,MINHA VISÃO COMEÇAVA A ESCURECER ,SENTIA PARESTESIAS PELO CORPO ,MINHA COMISSURA LABIAL ESTAVA DESVIADA , MÃOS QUE NÃO FECHAVAM ,NUMA CRISE DE PÂNICO EXPLÍCITA.


COMPADECIDA, A RECÉM COLEGA DO MEU INFORTÚNIO PEDIA UMA MEDICAÇÃO ANSIOLÍTICA. DITO E FEITO ,E SEM A MENOR BUROCRACIA- O MEU ESTADO ERA PRATICAMENTE MOTIVO PARA UM POUSO DE EMERGÊNCIA.


UMA HORA DEPOIS, NOTEI QUE ESTAVA AINDA VIVA E COM BRAÇOS ,MAS UM CHAMADO INUSITADO:


- POR FAVOR ,ALGUM MÉDICO POR AQUI? UM SENHOR NÃO ESTÁ SE SENTINDO BEM...



OLHEI BEM AO MEU REDOR ,IMPLOREI A DEUS QUE ME POUPASSE DE TAMANHO CONSTRANGIMENTO ,MAS NENHUM MÉDICO SE APRESENTOU.ENTÃO, TINHA MESMO QUE “QUEIMAR MEU FILME”,TORRANDO LOGO TUDO DE UMA VEZ:

- EU!

A AEROMOÇA ,PRATICAMENTE MINHA MÉDICA NO AVIÃO ,OLHOU PARA MIM NUMA INCREDULIDADE DESPIDA COM UM SORRISO INEVITÁVEL .

O POBRE DO PASSAGEIRO SOFREU UMA CRISE HIPERTENSIVA ,E GRAÇAS AO FATO DE EU ESTAR “CHUMBADA” DA MEDICAÇÃO JÁ INGERIDA,CONSEGUI MEDICÁ-LO E ESTABILIZÁ-LO ATÉ O POUSO.

VI QUE AQUELA VIAGEM TINHA SIDO LEVIANA-MULHERES COM LÁGRIMAS NOS OLHOS , SACOS LUBRIFICADOS DE VÔMITOS ,HOMENS COM CENHOS ,ROSTOS DA COR-DE-PAREDE. A CARA MAIS SAUDÁVEL PARECIA A MINHA - MEIO QUE RINDO ,DROGADA ,MEIO NO CÉU ,MEIO NA TERRA.


ESTAVA ME SENTINDO DESMASCARADA-A MÉDICA QUE PARIU UMA CRISE DE PÂNICO NO AVIÃO ,MAS NINGUÉM TINHA CABEÇA PARA REPARAR NISSO ,NÃO.


ENQUANTO ISSO,OS COMISSÁRIOS: "BOA NOITE! MUITO OBRIGADO"!


sábado, 6 de dezembro de 2008

Nossos filhos



Nossos filhos são cernes do nosso coração vivinho pelo mundo. Às vezes ,temos um zelo sufocante ,e eles dizem ,resolutos: -Somos cuidadosos ,mãe! Pode deixar... Eles têm geralmente uma personalidade inacreditável ,freando nossas sutis neuroses.



Frutos de um amor altamente concentrado , existindo algo em nós que ainda lutamos – deixá-los viver, deixá-los mais soltos ,se eles, de fato, não são nossos , serão sempre do mundo.



Que coisa mais paradoxal ou louca mesmo!Saiu de mim , cuido deste “toquinho”,mas não é meu...E não vale projetar anseios ,se o amor cresce na liberdade de toda orientação...Que crueldade! Mas os filhos não são nossos , mas somente deste “mundo-cão”.Parecemos mesquinhos, mas achamos que somos um pouco mesmo , num egoísmo do controle remoto de ser mãe ou pai . Sei que eles, um dia, serão genitores e dirão também:



-Meu Deus , como assim? Minha filha tem que voar ,cair ,desabrochar? Deixa pelo menos eu colocar um amortecedorzinho ,seu mundinho?



Nossos filhos se desprendem de nós quando “o ser necessário” vira mais desnecessário , como pude ler num blog lindíssimo de um conhecido meu, chamado Luís... Que daremos a felicidade aos nossos filhos quanto mais formos desnecessários com o tempo. Sempre soubemos disso, mas na pele é meio esquisito, numa vida cheia de contradiçoes necessárias para se perpetuar.



E assim ,a "roda viva" segue...Nós mesmos somos cernes dos corações de nossos pais , fazendo nossa história ,nossas horas. Desejo o mesmo para minha filha ,mesmo querendo viver um pouco grudadinha nela, mas o futuro a espera ,numa lição que os pássaros nos dão: cumpri minha missão ; felizmente, espero que você sirva ao mundo , filha. Voe para viver!


quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Complicados ( Minha homenagem aos casais complicados de plantão )


Eu queria te dizer tantas coisas , mas as palavras brigam dentro de mim-nada é tão simples de dizer , nada se esgota tão rápido assim , até numa história de “mão beijada”...


E assim , eu fico louca pra te dizer milhões de frases , mas as palavras brigam dentro de mim...


O meu desejo resvala no abismo do caos , não se esgota no simples , realiza-se no composto.


Eu queria te dizer tantas coisas , mas tudo é tão difícil pra mim , começando por nós dois , complicados assim – decompostos no composto.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Tempo


Ah,o tempo...Brinquedo de passatempo , segundos de momentos , dias e noites se entrelaçam numa ciranda.



Ilude numa aura de magia , torna-se até a mais virgem alegria –um amigo ou a dor mais ferina.


Abrace a sua hora , sua sina teima em ser o agora , a vida solta em um segundo...



Ah, o tempo...É um passatempo de momentos , talvez apenas a magia de um pensamento abraçando a hora , regateando com o calendário lá fora...

Espelho dourado


Às vezes, desconheço-me num espelho dourado , ou quem sabe, prateado , combinando com o brilho dos meus olhos.


Não sei...Sou esta mulher de olhar decidido , num trejeito favorito ,convencida por se ver?


Sim ,eu piso firme , olho para mim e sinto-me meio assim- dourada .


Há dias que me emplastro de ouro , muito mais que um tesouro;outras vezes, de prata ,meio lata , não valho quase nada- reveses; eu me desconheço no espelho dourado , ou quem sabe , prateado.