domingo, 25 de março de 2012

Inutilidades

A inutilidade, esta tal ferramenta de neon tão exata sobre a nossa incompletude... Você pensa tão completamente, como quem fez de um tudo, mas o próximo dia diz que não.

Não pense que acabou- você continua sendo, e o mundo indo...Com ou sem você, ele será...Mas, e aí? Nunca sentirá que a sua missão é só esta, mais uma das anedotas inquietantes da vida, pegadinha mesmo. No fundo, somos uns inúteis- úteis, se tive até tempo para pensar neste vazio da obviedade, sem mais...

sexta-feira, 23 de março de 2012

Tac-tic

O meu tempo para na hora em que quero ou menos espero...É um tempo sem ponteiros de segundos, não envelhece, não cria datas ...É um tempo sem tempo, sabe? E o planeta para junto com ele, congelando olhares, sorrisos e lugares.

Minha mente mente, eu sei, mas todo mundo tem seu tempo de brinquedo, apenas um tic-tac onomatopeico do livro da menina...De vez em quando ou quase sempre, desapontar relógios é necessário: Tac-tic, viu?

quarta-feira, 21 de março de 2012

Imaginação

Eu também sonho com coisas que não existem... A minha imaginação escreve, assim como a sua...Só que uns esquecem o que sentiram ou viram, e outros levam a sério até palavras soltas e voadoras - loucas.





Eu continuo sonhando, e até as palavras sabem... Com coisas que não existem, mas eu acho incrível- existem palavras para estas coisas! Imaginação- talvez seja a melhor, a palavra preferida das crianças; então, fico com ela e continuo sonhando...

sábado, 17 de março de 2012

Riso

O riso é tábua de salvação, de humanização, torna-nos iguais no humor e na afeição. É vida mais saborosa, é alma que ainda acha graça de nossa limitante condição- a tão humana.

quarta-feira, 14 de março de 2012

A boa música


A boa música é a poesia completa, pois conta com aliados muito mais fortes - a alquimia dos sons com a alma e o cérebro.

segunda-feira, 12 de março de 2012

O menino que gostava de verde (Prosa infantil)





    Sua bola era verde, seu carrinho, também.O fato é que o menino loiro gosta de tudo que é verde.Imagino como ele se encanta com as árvores do sítio, com a água do riacho, seus olhinhos no espelho, lápis de cor...







E a criança levada, certamente, cismou- verde em tudo, chora até se mudam a cor... Caprichos de criança, ensaiando sonhos de um adulto: - bicicleta azul, não; verde, mãe! 
E não se falou mais de cor, ninguém precisou entendê- la- O verde se fez menino, feito lodo em pedra. 

domingo, 11 de março de 2012

...Mas a fé continua...


Existem coisas em que não acreditamos mais, mas a fé continua, e o recheio do bolo confeitado, também!

Distraída

Alegria não dói, é um sorriso fácil, é mais um dia parecido, cheio de poente e noite azul .

Alegria é natural, animal, até meio sensual... Nasceu do gingado da vida e, por mais que venha qualquer coisa de ferida, sofra primeiro de alegria, se você foi a escolhida por nascer e viver tão assim, displicente e distraída.

sábado, 10 de março de 2012

A trama psicológica do jarro ( Quem lê Clarice, os textos se debruçam na loucura)









Eu sou um jarro vazio, sem flores, emplastrado de barro por fora, frio, mesmo saindo do que se chama forno, quieto na sala, sem nenhuma função...









Coração não há, sentimentos sei lá, mas o jarro me olha de longe, esquizofrênico e talvez sofrível? -Eu estou aqui por quê? Ele me pergunta, mas eu não sei respondê-lo, nem as flores tenho em casa! Matando o jarro de desgosto, ele só me olha de revestrés, e eu pensando:












-Cada um com seus problemas...Se pessoas sofrem, por que não o meu jarro?












Hoje eu estava sádica, até mesmo com simples objetos... Eu queria um sopro de vida, assim como o barro que tudo gerou...Eu me calo...Amanhã, comprarei flores...Estou arrependida, se não suporto ninguém sofrer, até mesmo aquele jarro inútil...Flores vermelhas ou brancas, o que acham?

Abstrato

E o que é o abstrato? Um autorretrato, um escapismo necessário ao homem que deseja ser mágico?

Pés no chão , pés na lua, os dois juntos são mesmo necessários? Pois o homem sonha nos sons, nas palavras, nas cores e formas...Retratos de uma humanidade que precisa viver inventando e, mesmo nesta grande mentira, todos os seus pecados serão perdoados, pois tudo isto ainda se chama arte.

sábado, 3 de março de 2012

Orvalho


E o orvalho se faz gota, outra, outro dia, e mal o sol acorda, é a lágrima que brota risonha, feito milagre no braço da árvore.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Entulhos

Entulhos de mim no depósito do edifício ao lado...Difícil não vê-los: restos até de pele, pensamentos e de palavras não ditas...

Estranho, mas a cada dia tantos pedaços , e eu juntando as sobras, sempre formando qualquer coisa...Que coisa! A gente sempre se perde no meio do caminho, no fim do dia, na sensação de que algo nasceu ou morreu de novo, o que era meu ou seu...Mas ainda sou esta surpresa achada , e o edifício bem ao lado, lixão de mim, um expurgo, um tchau de restos, uma multidão de entulhos olhando de soslaio.