quarta-feira, 29 de julho de 2009

Foi melhor assim...


FOI MELHOR ASSIM : RISCAR A AREIA DA PRAIA NUM OLHAR TÃO VAGO , LOTADO DAQUELA SAUDADE , CONSOLADO POR UM VENTO CANSADO.


PORQUE JÁ É DE BOM TAMANHO UMA PAIXÃO PELA METADE , MELHOR QUE UMA DECEPÇÃO INTEIRA ; QUE FIQUE , ENTÃO , NA NOSSA GELADEIRA , XINGUE O TEMPO OU O TRÂNSITO, CHEIRANDO A COISA INACABADA ...


PORTANTO, FAÇA-ME UM FAVOR : CONTINUE O NOSSO FIM , BEBENDO E CHEIRANDO A CIGARRO , VÁ E VOLTE , SEMPRE MAIS UM POUCO, ACHANDO- SE QUASE LOUCO , ENGANANDO –SE SEMPRE MAIS.


PREFIRO UMA PAIXÃO JÁ PELA METADE QUE UMA DECEPÇÃO INTEIRA , NEM A AURA DAQUELA SUA BRINCADEIRA - RESTOU RISCAR NA BRANCA AREIA , E APENAS SEI QUE FOI MELHOR ASSIM...


http://www.lastfm.com.br/listen/artist/Caetano%2BVeloso/similarartists?setlang=pt#pane=webRadioPlayer&station=%252Flisten%252Fartist%252FCaetano%252BVeloso%252Fsimilarartists

domingo, 26 de julho de 2009

Ainda tão jovem,ainda tão moça! ( Homenagem à casa dos meus pais, onde a natureza é um escândalo)


O sol faz um mesclado brilhante nas verdes folhas da mais alta árvore , e sopra o vento no eucalipto , voando junto com o aroma esparramado na calçada.


Minha casa não tem palmeiras onde canta o sabiá , mas bem- te- vi com mangueiras , andorinhas com eucaliptos , morcegos de cajueiros.


Ainda tão jovem e moça , sempre adornada de verde , e os aromas que voam continuam os mesmos , embora algumas paixões mudem a cada década.


Passaram-se mais dez anos , e eu nem sequer notei , só mesmo o covarde espelho em um olhar , voando junto com os aromas , mesclando meu jeito de antes , mas o seu brilho insiste em me refutar.


E assim , erodem os anos , transfiguram meu rosto em brilhantes mesclados , cheiro de eucaliptos , canto de bem-te-vi ; mas sempre fui adornada de verde , ainda tão jovem , ainda tão moça !

http://www.lastfm.com.br/music/14+Bis/_/Linda+Juventude

terça-feira, 21 de julho de 2009

OLHOS DE CHUVA


ESSES SEUS OLHOS DE CHUVA INUNDAM -SE DE BELEZA E SE DERRAMAM , REGADOS DE TANTAS CORES.

DESARRUMAM FEITO VENTANIA INESPERADA , MEIO ASSIM , ALVO DE LONGE , COMO QUEM SE ESCONDE , MAS A TEMPESTADE CINZA AINDA AMEAÇA

E O BRILHO PRATA NÃO NEGA , NEM OS LÍQUIDOS AMORES , OLHOS DE CHUVA DERRAMADOS EM MIM , INUNDADOS EM VOCÊ

MAS , SEM EU MESMA PERCEBER , CHEGA A VENTANIA DA NOITE FRIA , E O MEU AMOR , QUE É SOLIDO , VIRA O AMOR MAIS LÍQUIDO , TANTAS CORES ,E ESTA MINHA CERTEZA - ESSES SEUS OLHOS DE CHUVA

terça-feira, 14 de julho de 2009

Desta tal maneira...


Sou brancas nuvens , tenho todo o céu azul que as segura ; sofro , por vezes , se vier qualquer fel de amargura , mas por mais que não queira , nasci feliz na minha antítese ambulante , sou alma diáfana , e opaca por um instante , sem eira nem beira , sou metade desta tal maneira .



Sei lá , vou andando sorrindo e me permitindo , feito primeiro amor sem dor , mas eu sou assim mesmo, acho que não tenho cura , posso temer até amanhã de insegura , e o mais grave ou o melhor – ninguém me segura.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

O amor no silêncio


Nas paredes silenciosas da alma , o meu amor se concentra ; não existe , entre seus brancos lencóis , qualquer tipo de tormenta .


Entre a poeira de cacos e restos , raspas e pedacos, sobrevive cada dia mais inteiro , como se fosse ainda o primeiro.


Na paz que acalma , no silêncio tão azul , vive no âmago do meu querer .


Alma de quem ama , ama quase sem sofrer , como se fosse nunca ou sempre , como se fosse infinito num gostar primeiro , o último mais derradeiro – entre cacos e restos , raspas e pedacos , meu amor sobrevive cada dia mais inteiro.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Teresina, cidade verde ( Saudades... E este meu banzo...)




Ela olha para trás- a cidade escapa tão pequenina , troca-troca, jeito de menina linda , pôr-do-sol nos rios que se beijam , Teresina-cajuína.


Mas ela sempre volta com os braços de sua família envoltos , menina tão verde Teresina- seu recanto de amor , caneleiro da mais amarela flor , metades de cor e sina.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Curvas do vento




Gosto das curvas que o vento faz sobre mim , levanta o pó laranja do chão , meneia o mais branco jasmim , todo cabelo preto assanha , e minha alma fica tão bem à vontade.


O vento vira caos da tarde , é necessário se deixar voar...Por isso ,gosto das curvas que o vento dá , mudando destinos , arrastando as folhas-ferrugem , trazendo você de novo pra mim assim , como num sopro de chão.