sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O vento da tarde

O vento  da tarde de quase noite- Meio açoite, meio carícia, mas  era mesmo o vento. Tinha a cor laranja do tempo, de um pensamento novo errante e, por um instante, pensei em me perder voando. Confesso- naquele dia, tive inveja do vento- sem destino, desleixado,  sem início ou fim, apenas brincava lá no alto.