terça-feira, 9 de outubro de 2012

Queria...

Eu queria uma palavra aguda que golpeasse o vento da esquina, queria um cheiro de flor que acordasse a avó do Emílio, uma nova cor que dilatasse a pupila da criança, um novo amor que o calasse e o inundasse de poesia...

Queria coisa nova,velha, quente ou fria; sussurros que os surdos ouvissem, uma música estranha que acordasse os mortos, queria tudo que se pode querer... 

E eu aqui a escrever...Não, não quero nada, só quase tudo da vida e do luto para mim e para você...

Um comentário: